RIC TV faz série de reportagens sobre o aniversário de Maringá

RIC TV faz série de reportagens sobre o aniversário de Maringá

Do pioneirismo visionário ao futuro mais do que planejado. É assim que Maringá é retratada na nova série de reportagens da RIC TV, afiliada da Record TV. O município completa 70 anos no dia 10 de maio e a produção do Balanço Geral elaborou quatro materiais especiais que mostram a realidade e as belezas da nossa cidade canção nas mais diferentes épocas.

A primeira reportagem já foi exibida no programa na última segunda-feira e aborda o início de Maringá. A concepção da cidade começou em 1936, na cidade de Londrina, sede da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, com muitas figuras históricas que hoje vemos dando nome a ruas, avenidas, praças e até mesmo ao estádio.

A fundação do município aconteceu oficialmente em 1947, quando muitos pioneiros já desbravavam as matas que aqui existiam. O marco inicial desse desenvolvimento continua intacto até hoje, bem no centro da cidade. Trata-se do prédio da companhia, que fica na esquina da Rua Joubert de Carvalho com a Avenida Duque de Caxias.

Sede da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná; prédio faz parte do patrimônio histórico do município

O jornalista Fábio Guillen aborda na reportagem o planejamento arquitetônico de Maringá, que foi pensado em regiões como em Brasília, no Distrito Federal. E cada área, dividida por meio de oito zonas iniciais, tinha uma característica diferente. “É um plano pensado de maneira muito inteligente”, diz o historiador João Laércio. A zona 3, por exemplo, foi concebida para os trabalhadores, operários e indústrias, enquanto a zona 2 para moradias do público de elite. E basta andar por essas regiões para ter a certeza de que apesar das mudanças na cidade, muitos vestígios dessa divisão ainda permanecem vivos.

Mapa comprado pela Companhia em 1945 para construção de Maringá

E quem fez parte do começo do município lembra bem das dificuldades encontradas por aqui. É o caso de Izaltino Machado, que há 71 anos veio ganhar a vida. Naquela época, lembra ele, nada era fácil, por que tudo precisava ser erguido, desbravado. “Fiz muitas casas em Maringá. Era um carpinteiro procurado pela turma”, conta o pioneiro.

Entre as obras dele está a da Capela Santa Cruz, também preservada pelo patrimônio histórico. “Naquele tempo não tinha quase mão de obra. Meu irmão era o meu tutor e ele pegou esse serviço pra fazer da companhia. Eu vim ajudar ele fazer a capela. Então foi serviço meu e dele. Pra nós é um orgulho ter uma coisa que você construiu em pé ainda”, afirma Izaltino.

Izaltino observa a Capela Santa Cruz, que ele e o irmão ajudaram a construir

Eu nasci e sempre morei em Maringá. Tenho orgulho de dizer que amo essa cidade, assim como muitas pessoas por aí. Assista à primeira reportagem da série Maringá 70 anos:

As próximas reportagens vão ser exibidas ao longo desta semana no Balanço Geral, que começa ao meio-dia com apresentação do Salsicha. Não perca!

Reportagem: Fábio Guillen
Imagens: Rafael Silva / Elvis Marçal
Produção: Vanessa Bellei
Edição de Texto: Jean Jardim

Compartilhe